Walt Disney

Histórias ou Contos de Outrora – Charles Perrault

Histórias ou Contos de Outrora – Charles Perrault, (Martin Claret, tradução Renata Cordeiro, ilustrações Rafael Nunes Cerveglieri, prefácio de Aurora Gebra Ruiz Álvarez, 2015, 126 p, R$ 39,00) contém

  • A Bela Adormecida no bosque
  • Chapèuzinho Vermelho
  • Barba Azul
  • O Mestre Gato ou o Gato de Botas
  • As Fadas
  • Cinderela ou o sapatinho de vidro
  • Riquete do topete
  • O Pequeno Polegar
  • Pele de Asno (adaptação em prosa dos versos de Perrault)
  • Os Desejos rídiculos. (em versos).

Como enunciado no prefácio, a tradução e a adaptação não se colocam como as versões de Walt Disney, que, ao contrário das histórias originais. não se preocuparam com a inserção das “moralidades” de cada conto, como apareciam na literatura do Renascimento.

Os contos não contêm detalhes escatológicos que surgem em algumas versões, sendo de modo básico uma forma de ensinar ao público infantil valores e comportamentos, e menos uma análise psicológica.

O livro tem capa dura, e cada conto é precedido de uma bem feita ilustração.
A tradução preocupa-se em mostrar jogos de palavras e dubiedades que constam do original francês.

O preço demonstra que uma boa edição não necessàriamente faz com que os preços tenham de ser estratosféricos, como costuma ocorrer com algumas editoras de letras caras.

 

Anúncios

Contos de fadas

Terminei ontem à noite um curso de contos de fadas, dado por Tino Freitas.

Vocês pensam que conto de fadas é coisa para criança?

Pois estão mais do que equivocados.

No curso, aprendemos trocentas versões diferentes de cada conto,
– cada de um nós conhecia uma versão que diferia das outras –;

psicanálise por trás daquelas histórias (Erich Fromm, Jung, Bettelheim e Maria Louise von Franz);

papel da mulher (a xereta fofoqueira – Psiqué, Eva, Pandora), que viraram a mulher de Barba Azul, e outras tantas;

um dos contos mais conhecidos: Sansão e Dalila;

as parábolas já tinham a estrutura do conto de fadas, e havia o elemento mágico, no caso, os cabelos de Sansão;

A Bela e a Fera (a menina prometida em casamento para um velho horroroso, por quem ela desenvolve afeto);

Cinderela na China, Yeh-hsien (sapatinhos de chinesas, fetiche do ano 850);

Cinderela brasileira (norte de Minas) – uma festança de três dias no arraial;

Chapeuzinho Vermelho de Guimarães Rosa (A Menina da Fita Verde);

Chapeuzinho Vermelho masculino;

Branca de Neve no caixão e a história de Inês de Castro;

Os Três Porquinhos;

o urso que nos contos era pior do que os lobos;

Xerazade envelheceu, virou Mamãe Ganso e depois a vovó Dona Benta;

o espelho mágico da Branca de Neve;

as crianças enjeitadas porque os pais não tinham como alimentá-los (Rapunzel; Joãozinho e Mariazinha), afinal de contas, essa conversa de amor de família é invenção contemporânea;

e versões engraçadas de tudo isso,
como por exemplo:

– Vovó, qual é a senha do wifi?
– Pare de fazer tantas perguntas, minha netinha;

ou o grupo de internet de Cinderela, Bela Adormecida e Branca de Neve;

o primeiro porquinho era biólogo, por isso fez a casa de palha, o segundo frequentava as baladas e fez a casa de madeira, e o terceiro era empresário rico e fez a casa de alvenaria;

por que as princesas eram loiras?

por que a barba do Barba Azul era azul? afinal de contas, diz-se blue movie, blue talk, steak bleu;

por que os ogros eram chamados de ogros? (uigures –>húngaros)

e que, como não havia o politicamente hipócrita do corretinho, não era crime escrever que “o ogro comia pessoas como um macaco come castanhas”;

e mais as formas orais, as escritas, as adaptadas, o teatro, o cinema, as séries atuais na televisão.

Ah, sabia que existe um Tarot de personagens de Contos de Fadas?

Falamos no curso dos autores mais renomados:
Perrault, Grimm, Andersen, Oscar Wilde, Ítalo Calvino, e no Brasil Sílvio Romero, Monteiro Lobato, Tatiana Belinky;

e dos ilustradores que mudaram os livros de fadas:
Arthur Hackam, Edmund Dulce, Kay Nielsen, Harry Clark, Elenore Abbott, David Roberts, Rui de Oliveira, Anthony Browne, Kvéta Pskóva, Adolfo Serra e Salmo Dansa.

Não os conhece? Pesquise um pouco.

E sei que todos vocês gostam de conhecer o conto dos irmãos Grimm “o camundongo, o passarinho e a lingüiça” , que tanto parece com nossa estúpida realidade sindical brasileira.

http://www.grimmstories.com/pt/grimm_contos/o_rato_o_passaro_e_a_salsicha

Antes, já escrevi aqui no blog os posts que você pode rememorar:

https://outraveznarede.wordpress.com/2011/09/10/o-homem-que-calculava/

https://outraveznarede.wordpress.com/2012/06/17/contos-de-fadas-norte-americanos/

https://outraveznarede.wordpress.com/2014/03/22/os-grandes-contos-populares-do-mundo/

https://outraveznarede.wordpress.com/2014/07/30/as-mil-e-uma-noites/

https://outraveznarede.wordpress.com/2014/11/02/contos-dos-irmaos-grimm/

https://outraveznarede.wordpress.com/2016/03/15/falta-de-leitura/

Cuidado com a bruxa, com o lobo mau e com o príncipe encantado!

E, sobretudo, não converse no facebook com quem não conhece!

 

 

Contos dos Irmãos Grimm

Contos dos Irmãos Grimm, Editora Rocco , 2005, 310 p., R$ 46,00, prefácio de Clarissa Pinkola Estés, ilustrações de Arthur Rackham.

Grimm, em alemão, significa ira.
Grim, em inglês, significa severo.
Grimace, em francês (e importado para o inglês), significa careta.
Os irmão Grimm (Jakob 1785-1863) e Wilhelm (1786-1859) levaram a sério o sobrenome.
Fizeram, entre 1812 e 1822, uma compilação de contos de fadas que mostraram uma série de princípios que demonstram o caráter das pessoas, em meio a mágicas e espertezas.

Lá estão, dentre os mais conhecidos, Chapèuzinho Vermelho, Branca de Neve, Gata Borralheira, Rapunzel, o Pequeno Polegar, Joãozinho e Mariazinha (Hansel e Gretel, ou seja Joãozinho e Margaridinha), em um total de 53 contos.

O livro não tem versões HollyooDisneyanas.
Cinderela (a gata borralheira) não tinha ratinhos, nem carruagem de abóbora, nem nada disso. Suas irmãs tiveram os olhos furados por pássaros, quando foram bisbilhotar o casamento com o príncipe.
A madrasta da Branca de Neve morreu obrigada pelo príncipe a dançar com sapatos de ferro aquecidos em brasa!
Rapunzel era uma adolescente mãe solteira, cujos pais a tinham trocado por comida com a vizinha bruxa que a criou .

Jakob e Wilhelm (como os antigos) nos contos, castigavam os maus, (como ocorri na vida real), algo que Walt Disney retirou das histórias.
Prêmios a quem demonstra dignidade no caráter, e castigo aos trapaceiros, e, sobretudo, aos invejosos.

Quanto à introdução da psicanalista junguiana Clarissa Pinkola Estés, deveria ter sido dividida em introdução e conclusão. Uma parte falando do que são contos, a forma como trabalharam Jakob e Wilhelm, e sobre o prazer da leitura e da narração para crianças [ver Como um romance]. Ao final do livro, caberia a análise do conteúdo, sem indispor prèviamente o leitor ao que poderá encontrar nos contos.

As històrinhas são violentas? As crianças podem se assustar?
Ainda bem! Hoje em dia boa parte das crianças urbanizadas perderam essa noção.
Criança faz as maiores barbaridades e surgem os defensores dos coitadinhos.
Criança mata e dá risada para o repórter na tv.
Adolescente faz planos para o namorado matar os pais dela, para receber a herança.
Fica tudo por isso mesmo? São seres puros e inocentes? Não têm hormônios conduzindo a cabeça e o comportamento?
Por sua vez, não há tantos pais que despejam bebês recém-nascidos em lixeiras, ou os vendem? Por que isso não pode ser contado em contos de fadas?
Foi exatamente o que os Irmãos Grimm fizeram.
Fizeram-no justamente para mostrar que pode haver algumas pessoas que, por pureza, esperteza ou trabalho, se dão melhor do que outras que querem apenas desfrutar as vantagens da beleza física ou o dinheiro fácil que veio sem trabalho. Clarissa Pinkola Estés deveria ter colocado essa parte da análise como uma conclusão.