União Soviética

Vinte Anos de Crise – 1919-1939

Demorei muito para reler Vinte Anos de Crise, um clássico da ciência política escrito por E. H. Carr  (Edward Hallet Carr) exatamente no início da Segunda Guerra Mundial.

Vinte Anos de Crise (Editora Universidade de Brasília, 2001, 312 p.) tem prefácio do professor Eiiti Sato (o mesmo que fez as notas de rodapé de Utopia, de Morus). O livro tenta explicar porque teorias políticas tão freqüentemente chocam-se com as realidade políticas. Os fracassos internacionalistas pós-Primeira Guerra Mundial conduziram à Segunda Guerra. A Primeira Guerra, muito mal resolvida pelo revanchista Tratado de Versalhes que a França impôs à Alemanha.

O livro, porém, não fala de fatos, e sim de teorias, e o pano de fundo é sempre a defasagem entre utopias, em geral de cunho rousseauniano, e a realidade. Ao contrário da Utopia de Morus, que era uma ditadura imperialista, os devaneios rousseanianos sobre “o bom selvagem” têm contribuído até hoje para grandes perversões políticas. A obsessão “intelectual” de que a realidade tem de se adaptar ao discurso de dirigentes politicos, mesmo que para isso “enfeitem” resultados. Se algo deu errado, a culpa é da realidade, não das idéias, marca do intelectual que sempre culpa o burocrata pelos erros que não admite ter cometido.

Um dos aspectos mais encarados por Carr, no livro, é o da teoria de “harmonia de interesses”, como se fosse possível que o “bem” de um grupo fosse se assimilar ao de outro grupo, bem distinto. A falsa teoria de “soma zero” que conduz à felicidade de todos.

O fracasso do mundo pós-Primeira Guerra em grande parte foi resultado dessa “harmonia”, que internacionalistas como Wilson tentaram impor na Sociedade (ou Liga) das Nações, [que lamentàvelmente ainda perdura com o rótulo de Organização das Nações Unidas, um gigantesco cabide de empregos que existe para si mesmo.]

Carr aponta que o realismo também tem suas muitas limitações, como a tendência a analisar a História com julgamentos morais, sem levar em conta que estes variam de época para época, como se fosse possível, com essa análise, atingir uma “previsão científica” dos acontecimentos políticos.

Interessantes os sub-capítulos em que o autor estuda a convergência entre poder militar na definição política, a separação entre economia e política (contrariando analistas marxistas), e a relação recíproca entre opinião e política, ora uma, ora a outra moldando o todo.  Versa também sobre interesses locais, específicos, em contraposição a interesses genéricos, nacionais. Fala dos tratados e do direito nos assuntos internacionais, que podem facilitar a obtenção de alterações pacíficas.

Noto eu que, infelizmente, passado um século da Primeira Guerra Mundial, o pensamento internacional (e nacional) ainda prefere dar ouvidos a teorias, a utopias, a pensamentos ao estilo de Rousseau, e prefere esconder debaixo do tapete a vasta gama de objetivos que não têm como ser alcançados por meio de gestos de “bondade”. A ditadura do “polìticamente correto” que se instalou nos últimos anos, o “multiculturalismo” que tem gerado mais conflitos do que “harmonia de interesses”, e a manipulação da opinião pública solidificam meu ceticismo.

Só uma curiosidade: en passant, Carr comenta como Mussolini aproveitava idéias de Lênin para iludir a “classe trabalhadora” na Itália dos anos ’20 e ’30. E ainda há quem , hoje em dia, use sem conhecimento o adjetivo “fascista”.
Sobre esse assunto, recordo que vale a pena a leitura de Fascismo de Esquerda, que assombra ao mostrar as semelhanças entre Roosevelt e Hitler na manipulação da opinião pública.

O livro necessitava ter sido passado pelos olhos minuciosos de um bom revisor. São demasiado evidentes erros como uso inapropriado da mesóclise ou do infinitivo pessoal, o uso de advérbios de modo ecoando na mesma frase, e outras coisas que independem da tradução.

O Retorno da História (e um P.S.)

O Retorno da História e o fim dos sonhos, de Robert Kagan (Editora Rocco,  2009, 117 p., R$ 21,50), foi organizado pelo autor em 2008, sobre artigo publicado anteriormente na Policy Review.

O livro versa sobre o cenário internacional pós-Guerra Fria, e a nova composição de forças das potências mundiais, seus alidos, os interesses econômico-financeiros, os militares e de apoio político.

A dissolução da antiga União Soviética pareceu, em primeiro instante, ser o grande passo para que todos os países fossem se integrando, através de laços comerciais, e moldando seus regimes políticos na forma das democracias ocidentais.

Nada disso ocorreu. A Rússia enfraquecida, com Putin retornou à autocracia, reforçada por um conjunto de outros países que passaram a impedir sanções que levassem à mudança de regime em outros continentes. A China ignorou as sanções após os conflitos de 1989 e assumiu mais fortemente um papel preponderante nas relações internacionais, o que levou os vizinhos Japão e Índia a buscar papéis mais atuantes nas relações entre os países asiáticos, incluindo um aumento na militarização de todos.

Irã tornou-se uma potência nuclear. Talvez também a Coréia do Norte.

O livro, porém, é excessivamente datado. Não viu o descrédito que atingiu a União Européia. Mais ainda, fala de uma “certeza” de que alguma força mágica levaria a uma tendência de “democracia” nos moldes ocidentais. Aquilo que seria positivo com uma intervenção em países árabes, para reduzir o papel dos radicais islâmicos. Não viu o fracasso que foram as mudanças ocorridas com a “primavera árabe”, que substituiu antigos ditadores militares por constituições islâmicas fundamentalistas. Iraque, Afeganistão, Tunísia, Líbia, Egito, e atualmente Síria (e também Máli), são alguns dos exemplos fracassados da intervenção de potências ocidentais no mundo islâmico, provocados pela crença de que, com o aumento do fluxo de informação no mundo, haveria a facilidade para que os modelos do Atlântico Norte prevalecessem em países que poderiam servir de base para a alianças de países contra as autocracias russa, chinesa e iraniana.

O autor também ignorou inteiramente o papel das demagocias (democracias demagogas) em países da América e da África, que se unem e reduzem o efeito das sanções comerciais impostas pelas potências tradicionais.

Apesar de ter sido escrito em 2008, quando se dizia que o Brasil era “a bola da vez”, a única menção que Kogan faz ao país é em uma pequena menção de uma busca de apoio da União Européia e a OTAN com outras democracias – “que até agora tiveram comparativamente pouco a ver com as outras para além das áreas do comércio e das finanças”. Essa inserção tão sucinta indica que o Brasil teria, de qualquer modo, o papel de coadjuvante, e não o de protagonista, como insistia a propaganda político-partidária da época.

O título do livro baseia-se na premissa de que, após o fim da Guerra Fria, o que houve foi um retorno da história, com o ressurgimento de nacionalismos, de novas corridas armamentistas e da procura de várias formas de dominação sobre outros países, em geral vizinhos. Nada parecido com o sonho de integração e de cooperação quase irrestrita de que se falava há 20 anos. Nisso o autor acertou em cheio. Assim como acertou quando perguntou

“Que razão havia para acreditar que depois de 1989 a humanidade estivesse, de repente, prestes a entrar em uma ordem completamente nova?”

Não tenho dúvidas de que nos últimos 25 anos demos uma guinada para trás, em termos de História. Talvez porque quanto mais informação, menor o tempo para raciocínio.

P.S. No livro, salienta-se que o desejo de ser potência mundial, na China, na Índia e no Irã, está sempre relacionado com um desejo de vingança contra humilhações de terem sido ocupados por “povos inferiores”. Será que isso produz consistência ao desenvolvimento?

O Fator Humano

O Fator Humano, clássico escrito em 1978 por Graham Greene (LP&M Pocket, 2008, 320 p.), é um livro que merece ser relido.

Funcionário britânico deixa o serviço na África do Sul do apartheid, e torna-se agente duplo, em gratidão à  ajuda dos comunistas na fuga da amante e informante negra,  de Johanesburgo para Moçambique. Essa história, que serviu de base também para filme, dá saudade do tempo (não tão antigo) em que os livros tinham conteúdo, suspense, boa narrativa e boa descrição, e serviam para ser lidos (e vistos) com interesse.

O livro descreve em algumas partes o tédio burocrático do serviço exterior, aquilo que também é chamado de diplomacia.

Realmente O Fator Humano merece o lugar de destaque que teve, e que mantém, na literatura internacional.