Santa Catarina

Uma breve história do Brasil

De Mary del Priore e Renato Venancio (Editora Planeta, 2010, R$ 39,90), é um livro muito resumido, pois em suas 303 páginas abarca desde a viagem de Cabral à reeleição de Lula.

Um capítulo, porém, faz o livro valer a pena: Uma belle époque não tão belle, que trata da política deliberada dos governos da República Velha de implantar diferenças sociais através das diferenças étnicas.

As teorias positivistas, no início, e depois a própria letargia, criaram todo o mito da necessidade de branqueamento da população. A política levou, por exemplo, à substituição do entrudo pelo carnaval (com carros alegóricos e corsos), que imitavam Veneza. Crianças sem família, antes crianças desprotegidas, anjinhos, passaram a ser vistas como menores abandonados, potenciais membros das “classes perigosas”.

Nessa época, no Norte, renasceu a escravidão indígena, e no Oeste de São Paulo e de Santa Catarina massacraram-se populações de índios.
Uma belle époque nada bela, cujas conseqüências estão, por exemplo, nos problemas da criminalidade no Rio de Janeiro e em outras grandes cidades.