novela

O Futuro da Humanidade

Emprestaram-me o livro O Futuro da Humanidade, de Augusto Cury, que é “a emocionante história de um médico e um mendigo em busca de um mundo melhor” (Arqueiro, 2005, 252 p.).

A primeira parte, que mostra a importância da filosofia para “humanizar” os médicos, é muito interessante.

A segunda parte, porém, vira um amontado de pieguices, na maioria das vezes recheada de clichês, como o doente judeu que ficou amigo do doente palestino.
O médico que só pensa no remédio.
A enfermeira que se torna uma nazistona e foge dos doentes.

Há partes muito interessantes, como a necessidade de unir psiquiatria e psicologia, mas como ele mesmo coloca, os interesses das duas categorias não se colocam com a mesma disposição. Afinal de contas, os conselhos profissionais (guildas) perderiam poder.

Ele não leva em consideração que 8114% dos estudantes e formados em philosophia estão preocupados com “lutas de classes” e não com a natureza humana.

E acho que não sabe que a pior parte dos hospitais não são os médicos, nem os enfermeiros, nem os seguranças, nem o equipamento, nem os remédios.
São os “voluntários”. Gente que veste um jaleco ou avental e se torna ótóridade, para poder destratar à vontade os pacientes e os acompanhantes.
Isso nem a vã filosofia poderá corrigir.

Ainda não terminei a leitura.

Mas certamente vou ter as mesmas restrições que sempre tive contra esse tipo de livro de baixo-ajuda. Alta ajuda para quem recebe dinheiro com eles e com as palestras decorrentes.

21 de julho de 2017

Parte 2

Concluí a leitura.

De repente o livro adquire novamente fôlego, ao falar da indústria farmacêutica ditando regras na medicina (e nos pacientes e cobaias de tantas novas drogas, por isso mesmo chamadas de drogas), e também quando o personagem principal encontra uma aluna com quem trata a difícil relação entre as diferentes enfermidades ou estados mentais, com destaque na depressão.

Os questionamentos que são feitos nesses dois capítulos são realmente instigantes,

O livro, porém, retoma a pieguice de capítulos anteriores e parte para o clichê da pobre menina milionária, que sofre solidão no palácio em que vive. Parecia uma novela mexicana.

O autor do livro, porém, repete mais de uma vez aquela coisa de “coitadinhas das criancinhas da África”. Não sei se parecia madona ou joão malo jovi.
Sei que todos eles esquecem que o problema da África não é ter pobres, mas, bem o oposto, é ter os mais ultra-arqui-multi-milionários e perenes ditadores do planeta.
Em ordem alfabética: Angola, Burkina, Congo-Brazzaville, Eritréia, Etiópia, Gabão, Guiné,Guiné Equatorial, República Centro-Africana (aquele país que foi do Bokassa), Sudão, Zimbábue, sem contar países que depois da ditadura ficaram ainda piores, desgovernados, como Egito, Líbia e sobretudo Somália.
Certamente devo ter esquecido de alguns outros países africanos, e aqueles cujas ditaduras se fazem por meio da perenização de certos partidos nessas democracias (África do Sul, Botsuana, Congo-Kinshasa, Moçambique, Namíbia, ..).

Nesse bom mocismo do autor, de falar dos coitadinhos no planeta, ele esqueceu de falar dos médicos sem fronteira, aquela ongeira que leva jovens idealistas a curtir boas festas, na África, junto com funcionários internacionais do podre sistema onu.

E por falar em médicos sem fronteira, lembrei dos médicos brasileiros dessa ongice e dos técnicos em medicina que importamos de cuba, pois os nossos jalecos foram cuidar de suas preocupações em outras partes do mundo, enquanto a ditadura cubana emprestou para nós os profissionais de saúde que ficaram faltando.

Ah, e se você acha que ongices são coisas boas, sobretudo na saúde, é bom olhar nos sites e ver quantas cruzes vermelhas aqui na tupinambalândia foram assaltadas, nos últimos meses, por seus dirigentes, sem contar as várias demoníacas casas.
Sem caridade não há saúva-ação, não é mesmo?
Rouba-se de onde surge dinheiro.

A atingir os últimos três capítulos, que narram a festa de casamento, veio aquela sensação ruim de que o livro era apenas um espelho das fantasias de um dos piores canastrões que já houve no cinema:
Robin Williams, aquele chato que estragou tantos filmes “de humor” ou de “sentimento”.
Aquele cara que, apesar do filme Um Amor Além da Vida, não se preocupou em se suicidar (apesar dos desmentidos, um ano depois, da viúva, que arrumou uma desculpa de enfermidade física para o corpo que ela tinha mandado cremar, e naturalmente não pôde ser verificada a alegação da senhora viúva rica).
Excetuado “Babaca quase perfeito”, R. W. sempre foi um péssimo ator que interpretava personagens ainda piores.
Aliás, no filme que mencionei, do babaca quase perfeito, o mérito foi do pessoal da maquilagem, não do ator mais piegas que já surgiu na telona.
Augusto Cury sequer disfarçou a “fonte onde bebeu”, pois a bonita música de good-bye vietnam (what a wonderful world) é repetida vezes no livro.

Bem, parando com digressões, e voltando ao livro, tinha de princípio suspeitado que fosse um livro de alta-ajuda para o autor. A própria capa já insinuava isso.
Após concluir a leitura, fiquei pensando se esse defeito preponderava sobre o restante do conteúdo.
Não, claro que é importante demais que se discuta o papel da “humanização” das “ciências”, o papel dos fármacos, a necessária fusão de cursos universitários.

Não só psiquiatria e psicologia, como abordado pelo médico psiquiatra autor do livro, mas também outras matérias que se necessitam e se rivalizam mùtuamente, como educação física e fisioterapia (e seus apêndices nutricionais), os cursos das chamadas fefechês (história, geografia, ciências sociais e outras similares), arquitetura e engenharia civil, e também os cursos de línguas (o método comparativo entre elas, que exige estudar gramática é muito mais eficaz e duradouro do que a mera decoreba de cools e kuhs nas escolas de idiomas.

Curioso que o médico tão correto e “humano”’ derrapa e demonstra não saber ainda que só existe uma raça de homens: a raça humana, as variações que existem são étnicas.

O autor vendeu mais de 20 milhões de exemplares de seus livros na tupinambalândia. Pois é. Certamente o doutor psiquiatra, que além disso saiu por aí dando palestras e participando de programas de televisão, deve ter recheado muito bem sua conta bancária.
Mas como, os banqueiros não são os malvados corruptos que estavam na festa do casamento retratada no livro?

Como se vê, o livro pode ser resumido em:
faça o que eu digo, e não o que eu faço.
Algo que me parece típico de de médico sedentário que fuma e enche a pança na churrascaria. Já me consultei com uns tantos assim.

22 de julho de 2017.

Anúncios

Dostoikévski – três vezes

Li simultâneamente três novelas da primeira fase de Fiódor Dostoiévski (Obra Completa – volume 2 – Editora Nova Aguilar – 2004).

  • Pobre Gente (1844-1846)
  • O Duplo (1845-1846)
  • A Granja de Stiepântchikovo e Os Seus Moradores (1859).

Ao contrário dos personagens planos de outros autores da mesma fase literária, os de Dostoiévski são cheios de nuances, e já no primeiro texto publicado (Pobre Gente), que tem o formato de uma coleção de cartas trocadas, ele foi aplaudido pela crítica da época, por se destacar como uma rica fonte de conflitos pessoais e interpessoais, que levaram Sigmund Freud a considerá-lo, mais tarde, o maior de todos os romancistas.

A variada “fauna humana”, miserável e cheia de fraquezas, que Dostoiévski descreve é algo raramente encontrado.
O leitor é levado a questionar que tipo de pessoa teria aquelas atitudes, e ao mesmo tempo identifica ao redor inúmeros comportamentos que tornam a vida ora mais interessante, ora mais difícil.
Não se limitam ao período da Rússia do século XIX, mas são uma coleção de fraquezas, de chantagens, de psicopatias, que vão muito além da crítica social.

Dostoiévski é mais do que um autor cuja leitura deveria ser obrigatória: é um dos pontos mais altos das literaturas de todos os tempos.

 

Sergio Y. Vai À América

Sergio Y. vai à América, de Alexandre Vidal Porto (2014, Companhia das Letras, 181 p., R$ 37,00) oferece uma leitura bem rápida.
Inclusive porque a própria formatação do livro inseriu muitas páginas apenas com o título dos capítulos, que se iniciam sempre em uma página ímpar – ou seja, há bem menos do que as 181 páginas. Além disso, alguns capítulos constituem-se de um único parágrafo. Evidentemente que se o livro tivesse um número menor de páginas, o preço de venda poderia ser mais baixo, mas não é essa a política da grife dos livros caros, como algumas vezes já comentei.
Como tantos outros livros, tem a característica da lombada que não permite leitura quando o livro é colocado em posição vertical. Por que essa moda entre os editores?

O livro trata a história de um psiquiatra paulistano que tem como um dos pacientes um rapaz de 17 anos, que um ano depois afirma já ter descoberto, na terapia, como deveria se comportar para superar a tristeza crônica que sentia. O jovem muda-se para Nova York, e o psiquiatra, mais tarde, casualmente encontra a mãe dele, que diz que o filho agradece muito por todo o trabalho feito pelo médico. Pouco depois, o médico sabe que o ex-paciente havia sido assassinado, aos 23 anos, em Nova York, e começa a buscar respostas para isso, deparando-se com dúvidas sobre sua própria atuação como profissional que antes não cogitava.

Quase toda a narrativa se desenvolve com o relato do médico sobre a própria terapia e por fatos que envolvem o psiquiatra e outras pessoas que tiveram contato com o ex-paciente, com um total de poucos personagens no livro. Não chega, portanto, a constituir um romance.

Deixando propositadamente algumas dúvidas sobre o trabalho do médico e a real personalidade do paciente, o livro pode ser fàcilmente “digerido” em ocasiões de mente relaxada e de ócio.
O autor desenvolveu um texto bem direto, sem expressões rebuscadas que queiram insinuar intelectualismo ou o uso de expressões da moda. É verdade que a descrição e as razões do assassinato não são muito convincentes. A se lamentar sèriamente foi apenas a escolha da editora.

Nem te conto, João

Nem te conto, João, novela de Dalton Trevisan (LP&M Pocket, 2011, 140 p., R$ 14,00), é o tipo de livro de velhos que gostam de fingir que têm vida sexual satisfatória, do tipo Mario Prata ou Vargas Llosa. Não são apenas os Mários , portanto, que não têm coragem de sair do armário da brochidão, e se divertem com pílulas azuis ou com literatura. O outrora perspicaz Dalton Trevisan também caiu nesse conto do erotismo de lixo.

Que saudade dos velhos contos do “jovem” Trevisan. Ele escrevia textos muito mais interessantes.