Companhia das Letras

Cada homem é uma raça

Cada homem é uma raça, de Mia Couto (Companhia das Letras – 2015 – 200 p., R$ 39,90) contém 11 contos, originalmente publicados em 1990.

O grande escritor moçambicano mais uma vez destaca sua capacidade de criar cenários e palavras.

Os contos, porém, não diferem muito uns dos outros. A Rosa Caramela; Rosalinda a nenhuma; A princesa russa; O ex-futuro padre e sua pré-viúva; Mulher de mim; A lenda da noiva e do forasteiro; Os mastros do Paralém falam de um amor impossível entre uma mulher e um homem. São previsíveis.

O apocalipse privado de tio Geguê; e Sidney Poitier na barbearia de Firipe Beruberu foram os dois de que eu mais gostei.
Outros dois contos no livro são O Embodeiro que sonhava pássaros, bastante poético; e O pescador cego.

Concluí a leitura sem ter a mesma excelente impressão que havia tido com Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra;  e com Contos do nascer da Terra.

Fica porém a dica para sempre se procurar uma obra de Mia Couto, para descansar os olhos e exercitar o cérebro.

Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra

livro009Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra é um interessante romance de Mia Couto (Companhia das Letras, 2009, 262 p., R$ 26,00).
Narra a história de Mariano, jovem que mora na cidade e é chamado para o funeral do avô Dito Mariano, na pequena aldeia de Ilha-do-Chão, à margem do Rio Madzimi. Ali ele reencontra o pai Fulano Malta, os tios Abstinêncio e Ultímio, a avó Dulcineusa, a tia-avó Admirança, a gorda cunhada da avó Miserinha, o português Padre Nunes, e o médico goês Amílcar Mascarenha. Vai sendo levado às lembranças de sua mãe Mariavilhosa, que se afogara no rio.

No rio se passam as histórias das pessoas da aldeia, o porto, a corrupção dos agentes do governo, o tráfico de drogas, as bebidas.
Na casa do avô, chamada Nyumba-Kaya, junção da palavra “casa” nas línguas do Norte e do Sul,  já com partes em ruínas, desenrola-se um funeral que demora para ser realizado, com o teto arrancado para que o velório não a poluísse de maus fluidos.
Cartas psicografas vão sendo encontradas por Mariano, e ele paulatinamente ele descobre segredos da família, e de outras pessoas da Ilha-do-Chão.

Uma soma de frustrações, de (auto-)enganos, desejos e adultérios percorre as páginas do livro.
Nos últimos dos vinte e dois capítulos, um tom mais de lirismo na prosa começa a permear o romance, de modo a chegar a uma conclusão sobre a vida daquelas pessoas no tempo e naquela terra.

Uma leitura recomendável, um excelente exercício mental para quem percorre suas páginas.

 

Contos do nascer da Terra

livro010Contos do nascer da Terra, de Mia Couto (Companhia das Letras, 2014, 270 p,, R$ 21,00) contém 35 textos do renomado escritor moçambicano, um dos maiores expoentes da literatura em língua portuguesa contemporânea.

Em todos eles, a característica de criar palavras, a partir de dois conceitos que se somam ou se opõem, como O homem era um vidabundo, ou Minha água-natal, de freqüentemente alterar ditos e provérbios, como Não ata nem diz ata, e de formar frases com palavras de som assemelhado, como Um homem atravessou a calçada, desavultado vulto avulso.

Os contos muitas vezes relatam casos da relação entre pais e filhos, ou de casamentos desfeitos, de pessoas vítimas da guerra civil que marcou a fase da independência de Moçambique, ou são adaptações de fábulas africanas. Na verdade, preferi ler os contos criados do que as fábulas adaptadas, que se tornaram em geral sem forma nem formato, desenroladamente roliças.

A leitura dos contos é um constante exercício para os olhos e para as idéias do escritor e do leitor, para quem utiliza os neurônios subjacentes da linguagem.

Mia Côunto: leitura obrigatória.

 

47 contos de Isaac Bashevis Singer

Concluí hoje a leitura de um dos melhores livros que desbravei nestes últimos tempos:

47 contos de Isaac Bashevis Singer (Companhia das Letras, 720p., 2004, R$ 31,00), com excelente prefácio de Moacyr Scliar.

Os contos são quase todos impregnados de indisfarçável caráter auto-bio-gráfico.
Como são contos, não cansa a leitura.
Cada um é cada um.
Dentre eles está Yentl, que foi tornado peça de teatro, em 1975, e depois filme, com Barbra Streisand, em 1983.

Há contos passados na Polônia sem data, relatos que ele ouvia durante a infância, outros na Polônia do início do século XX (período ainda sob domínio russo-austro-alemão), outros pré-Segunda Guerra Mundial.
Contos mais modernos se passam nos Estados Unidos – Nova York ou Flórida – no período pós-Segunda Guerra, ou em Israel, e até mesmo na Argentina.
Muitas palavras ou expressões estão em  iídiche, mas nada impossível de ser aprendido no glossário.

O que me surpreendeu foram as lições sobre o judaísmo.
Nunca imaginara que fossem tão tão tão supersticiosos!
Diabinhos, talismãs, amuletos, quebrantos, reencarnações, inferno (não eterno), e coisas do tipo em quase todos os capítulos.

Sem contar a tradição do casamento:
as casamenteiras saem para procurar “um bom partido” para ele e para ela.
Se não der certo, porém, nada mais fácil do que obter o divórcio.

Caramba, os judeus ashkenazim são muito mais complicados do que eu pensava…
Só não posso dizer isso a eles.

A tradução de José Roberto Siqueira parece ter sido feita por alguém que não mora no Brasil. Há termos que parecem demasiadamente com dicionários, e não com expressões da língua contemporânea.
A revisão, feita por Ana Maria Barbosa e Carmen S. da Costa também deixa a desejar. Curiosamente, são mais evidentes os erros em um conto que narra a história de um vizinho, que era revisor em um jornal iídiche em Nova York.

Descobri que há muito tempo, durante a adolescência, eu havia lido O Mago de Lublin (traduzido para o português por Rachel de Queiroz), livro escrito por Bashevis em 1960, mas o nome do autor não havia ficado registrado em minha memória – apenas o livro.
Gostei tanto de ler Bashevis, que já me municiei de outros dois livros de sua autoria: O Penitente, e Inimigos: Uma História de Amor, ambos publicados pela L&PM.

 

Associação Judaica de Polícia

Associação Judaica de Polícia, de Michael Chaban (Companhia das Letras, 2009, 472 p., tradução de Luiz A. de Araújo, revisão técnica de George Schlesinger) é um livro que já tentei ler algumas vezes.

Não adianta, não consigo chegar à centésima página.

O texto é chaterrésimo, parece que está sempre começando. Nada se desenrola. Fica sempre nas preliminares.

Hoje este livro sairá da estante e irá – literalmente – para uma lixeira em uma parada de ônibus aqui perto do apartamento.

Até já tentei vendê-lo em um sebo, mas não aceitaram. Disseram que já tem o suficiente desse livro “tão celebrado”.

Prova contumaz de que comentários de “jornalistas especializados” do The Guardian, Associated Press, International Herald Tribune e Esquire nunca devem ser levados em consideração quando se pretende algo parecido com literatura, e não apenas com o ego inflado de “intelectuais”, que pretendem ser engraçadinhos.

Ah, o livro se passa em um hipotético país judeu instalado no Alasca, de língua iídiche, depois de o território israelita ter sido inteiramente ocupado pelos vizinhos árabes.
Zero à esquerda é pouco. Aliás, parece que depois do primeiro zero houve uma vírgula, de tão ruim.

Rimas da Vida e da Morte

Rimas da Vida e da Morte, de Amós Oz (Companhia das Letras, 2008, 118 p., tradução de Paulo Geiger) é um livro de um autor de quem gosto muito, mas que especìficamente não gostei DESTE.

A idéia é muito interessante: um escritor de meia-idade dá uma palestra, e sua mente vagueia enquanto olha as pessoas que estão a seu redor.
Dá-lhes nomes e cria-lhes histórias de vida.
Ótimo.

As histórias porém são meio fracas, repetitivas, esgotam-se, e o autor insistiu em mantê-las na metade final do livro.
Esperava MUITO mais.

Amós Oz, porém, tem de ser relevado, tantas são suas outras boas obras.

 

 

 

Maomé, uma biografia do profeta

Maomé, uma biografia do profeta, de Karen Armstrong (Companhia das Letras, 2002, 335 p., tradução de Andréia Guerini, Fabiano Seixas Fernandes, Walter Carlos Costa), foi escrito em 1994, como uma resposta politicamente correta à fatwa decretada em 1889 contra Salman Rushdie, por este ter escrito Os Versos Satânicos.

Karen Armstrong, ex-freira católica britânica (de família irlandesa) parece que “viajou na maionese” quando escreveu este livro, e a editora também o fez, com a publicação no Brasil em 2002 (pós-11 de Setembro), e me pergunto como será que seria a obra hoje, em 2016?

(entrevista de Karen Armstrong a Paulo Daniel Farhat, na Folha de São Paulo, em 2002)

Primeira pergunta:
por que hoje em dia se usa sempre o termo “muçulmano” ou “islamita”. Ficou “feio” dizer “maometano”, como se fazia, no Ocidente, até a década de 1960.
Quem segue Cristo não é cristão?
Os seguidores de Lutero não são luteranos?
Os de Calvino não são calvinistas?
Os de Buda não são budistas?
Os de Confúcio não são confucionistas?
Os de Alan Kardec não são kardecistas?
Então por que dizer “maometano” hoje em dia é tido como ofensivo?
Islã significa submissão, e muçulmano “submetido a deus”.
Mas a religião é de Maomé, oras pois…

Já li outros trabalhos da senhora Armstrong (Buda – uma biografia, 2001, Editora Objetiva;  Breve história do mito – Companhia das Letras, 2005; The Bible – the biography, Atlantic Books, 2007), e parece que a autora conseguiu não levar ao pé da letras as fontes utilizadas. Maomé, porém, não teve esse cuidado. Este sem dúvida foi o pior.

Na biografia de Buda, ela esclareceu um monte de coisas interessantes para destruir o mito. Sidarta Gautama não era um príncipe em um castelo, mas um aristocrata em uma pequena república (como mais tarde foi Veneza).
Na biografia de Maomé, ela recheia de situações poéticas e de êxtases para reforçar o visionário, reforça o tempo todo as lendas, como a do “velho que inundou a barba de tantas lágrimas, ao ouvir os versos recitados pelo profeta”.
Se o pequeno país de Sidarta era um descrito com termos adequados ao momento histórico, na biografia de Maomé Karen o coloca literalmente como um socialista que combateu o capitalismo de Meca! Usa mesmo essas palavras! Apesar de todo o tribalismo e sistema de clãs que ela repete em citar em cada página.

Ela coloca um saque a uma caravana como um acontecimento que demonstrou à seita que se iniciava a “revelação da vontade de deus – um princípio importante no monoteísmo histórico”, e páginas adiante compara as guerras tribais entre Medina e Meca com Moisés e a travessia do Mar Vermelho (e a morte dos egípcios).
No mesmo parágrafo, aponta que “se não se fizesse oposição militar a regimes tirânicos e repugnantes, o mal tomaria conta do mundo todo. Até os profetas, algumas vezes, foram compelidos a lutar e matar”… “em vez de ser uma religião dá a outra face, o islã luta contra a tirania e a injustiça”. – pois é, preciso comentar? Parece que o vírus da admiração dominava o cérebro da autora quando escreveu o livro.

A obra fala muitas vezes entre lutas entre judeus (sempre monoteístas) e os novos adoradores de um deus único. Parece admitir que isso é “uma sina do mundo”.   E os muçulmanos sempre foram tolerantes com os judeus, até a fundação do Estado de Israel, segundo ela… Acho que Karen não sabe a história do califado almôada em Andaluzia, no século XII.

O “amor” que Maomé tinha por todas suas esposas (inclusive a menina Aisha, de 9 anos), e por todas as meninas, é tão lindo como dizer da admiração que o “pai do pacifismo” Gandhi tinha quando se deitava com crianças.

Karen afirma que
“O véu não visava rebaixar as esposas de Maomé, mas era um símbolo de status superior. … Mais tarde, outras mulheres ficaram com ciúmes do status das esposas de Maomé e exigiram que lhes fosse permitido usar véu. … Hoje em dia, quando algumas muçulmanas resgatam a vestimenta tradicional, não é porque sofreram lavagem cerebral de uma religião chauvinista, mas porque consideram profundamente gratificante o retorno às próprias raízes culturais. É também, não raro, uma rejeição da atitude imperialista ocidental.“
Curioso que, atualmente, a maioria das freiras católicas não veja o uso do hábito como sinal de orgulho. Menos ainda por parte da sra. Armstrong.

“O Corão ensina que a guerra é sempre abominável. Os muçulmanos nunca devem começar as hostilidades, pois a única guerra justa é a de autodefesa, mas, uma vez engajados, devem lutar com absoluta confiança para conduzir a luta a um final o mais rápido possível.”

Acho que a autora precisava ler mais os noticiários internacionais, e talvez reformular o livro.
Afinal de contas, se em 2002 ela ainda não tinha sequer tomado conhecimento dos ataques em Nova York e Washington, o que será que ela tem a dizer das guerras na Síria e no Iraque, dos ditadores muçulmanos, dos atentados em San Bernardino, Boston, Madri, Paris 1 e 2, Bruxelas, Londres, Nairóbi 1 e 2, Dar-es-Salaam, Moscou (Teatro Dubrovka), Bali, praias na Tunísia, turistas no Egito, e outros “pequenos detalhes”, como Boko Haram?

Segundo a ex-freira, a a culpa de termos uma visão oposta é da igreja católica.
Claro, é sempre ela a malvada que deturpou o pensamento da humanidade
(desde a pré-história, segundo alguns).

Reproduzo o último parágrafo do livro:
“O fato é que o islã e o Ocidente compartilham uma tradição comum. Os muçulmanos a reconhecem desde o tempo do profeta Maomé, mas isso é algo que o Ocidental não consegue aceitar. Hoje, alguns muçulmanos começam a se voltar contra as culturas do Povo do Livro que os humilhou e desprezou. Elas começam a islamizar seu novo ódio. A amada figura do profeta Maomé tornou-se central nos últimos embates entre os islã e o Ocidente durante o caso Salman Rushdie. Se os muçulmanos precisam, hoje em dia, de uma compreensão mais apurada de nossas tradições e instituições ocidentais, nós, no Ocidente, precisamos nos desvencilhar de nosso antigo preconceito. Talvez um bom ponto de partida seja a figura de Maomé, um homem complexo e apaixonado, que por vezes tomou atitudes para nós difíceis de aceitar, mas foi um homem genial e fumdpou uma religião e uma tradição cultural baseada não na espada – apesar do mito ocidental [e de tudo que foi narrado no próprio livro de Karen Armstrong] – e cujo nome, “islã”, quer dizer paz e reconciliação.”

Bem, em algumas páginas anteriores a autora relata os últimos dias do profeta, e da angustiante dor de cabeça.
Que pena que naquela época, e naquela região, não houvesse equipamentos para uma tomografia e outros exames, que fossem capaz de examinar o crânio que “trouxe mensagem de paz ao mundo”…

Em algumas parte do livro, Karen coloca o monoteísmo como uma necessidade “da evolução dos homens”, para sair do tribalismo.
Para mim, reforçou a fé no panteão de deuses de klingons, romulanos, wookiees (como Chewbacca), pois estou cansado desse antropocentrismo pobre de planeta que os alemães chamam de Erde.