Meu Cântico Sertanejo

Ganhei há algum tempo Meu Cântico Sertanejo, de Felício de Souza (2000, publicado em Mairinque – SP, sem menção de editora, 112 p.), coleção de poemas de autoria de compositor sertanejo (que teria a tal classificação “sertanejo de raiz”, em contraposição ao atual “sertanejo universitário”), nascido em Botucatu.

O mais interessante dos textos é a criação de uma ortografia mais ou menos adequada à pronúncia tradicional do “caipirês”.
Por exemplo:

Meu ranchinho lá nú mato
Súfrendo grande martrato
Hoji vive abandonado
Ao relênto, na solidão,
Sem tê mais aquela feição
Que tinha nú passado! …

O menos interessante, e cansativo, é a menção repetida a temas religiosos em todos os poemas, ao deus do compositor e à mãe desse deus.

Literalmente cansativo, embora isso tivesse sido uma característica muito arraigada do habitante das zonas rurais e das pequenas cidades, até há algum tempo.

Anúncios

1 comentário

  1. Era bem melhor o tempo em que o nosso caipira tinha fé e amor a Deus e a Sua Santíssima Mãe.
    Agora, o interior está dominado pelo crack, pelas drogas em geral, pela mesma safadeza da burguesia narco-putanheira urbana. Ou voltamos todos ao capirês tradicional e nossa alma brasileira autêntica, ou cada vez mas chafurdaremos na imitação reles ao que a americanalha tem de pior.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s